Esocial: liberada opção de impressão do Recibo de Férias

Com a edição da Medida Provisória nº 927/20, o eSocial teve de se adequar à nova legislação e foi ajustado para incluir as férias no recibo de salário. Nesse caso, o recibo à parte é desnecessário, já que os valores das férias saem junto do recibo de salário. Contudo, diversos empregadores que optaram pelo pagamento antecipado das férias estavam com dificuldades para gerar um recibo por conta própria. Dessa foma, o eSocial ajustou novamente a ferramenta com a possibilidade de emissão automática do recibo, conforme já antecipado em 02/06/2020.

STF deve decidir nesta quarta-feira se restringe compartilhamento de dados pelo antigo Coaf

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve decidir nesta quarta-feira (4) se restringe ou mantém o atual modelo de compartilhamento de dados bancários e fiscais sigilosos pela Unidade de Inteligência Financeira (UIF), antigo Coaf, sem autorização judicial.

Na semana passada, por 9 votos a 2, o STF decidiu que extratos bancários e declarações de Imposto de Renda de contribuintes investigados podem ser compartilhadas pela Receita com autoridades.

Também houve maioria de votos a favor do compartilhamento de relatórios pelo Coaf nos moldes em que sempre foram produzidos. Ainda falta definir, no entanto, se haverá restrições específicas no caso desse órgão.

Ao votar, o relator do caso, Dias Toffoli, propôs impedir o Ministério Público de encomendar ao órgão informações de pessoas específicas para fins de investigação, mas nem todos os ministros se manifestaram sobre esse tópico.

O que falta o STF decidir?

Entenda, em perguntas e respostas, o que falta o STF decidir sobre o assunto.


O QUE ESTÁ EM JULGAMENTO?


Um recurso contra decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) que absolveu donos de um posto de gasolina em Americana (SP). O TRF-3 entendeu que houve compartilhamento ilegal de dados detalhados da Receita com investigadores sem autorização da Justiça.


O QUE O STF JÁ DEFINIU?


Por 9 votos a 2, o STF decidiu que a Receita pode compartilhar os dados, inclusive extratos e declarações do IR. A maioria concorda que, tanto Receita como o antigo Coaf, podem compartilhar dados com investigadores.


O QUE FALTA DECIDIR?

Os ministros devem fechar uma tese, ou seja, uma orientação a ser seguida pelos demais tribunais do país ao julgarem casos semelhantes.

Nesse debate, os ministros podem decidir se incluirão restrições específicas propostas pelo ministro Dias Toffoli. Os ministros Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello, por exemplo, não se manifestaram sobre o órgão. No caso da Receita, não deve haver alterações, já que Toffoli mudou o próprio voto e se alinhou ao grupo que defende o amplo repasse.

A TESE PODE RESTRINGIR O QUE JÁ FOI DEFINIDO?

No caso dos relatórios do Coaf, o STF pode decidir debater proposta do ministro Dias Toffoli de impedir a encomenda, pelo Ministério Público, de informações sobre quem não é investigado e de proibir o envio por e-mail desses dados e seu uso como prova. A maioria dos ministros ainda não se posicionou especificamente sobre essas questões.

COMO FICA O COAF NO JULGAMENTO?

Na última sessão, já ficou definido que o Coaf será tema desse julgamento, e a decisão do STF também valerá para dados desse órgão de controle, e não somente da Receita.

Durante o julgamento, vários ministros se manifestaram contra a inclusão do Coaf, afirmando que esse assunto vai além do escopo original do recurso, que só envolvia a Receita. Ao final, ficou definido que o tema está em julgamento.

POR QUE O COAF ENTROU NO JULGAMENTO?

Alegando semelhança com o caso do posto, a defesa do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, entrou com um pedido de suspensão de uma investigação contra si junto ao Supremo baseada em dados do Coaf.

O pedido foi feito dentro do recurso que já tinha sido apresentado pelos donos do posto, que falava só sobre dados da Receita. Após esse pedido, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, concedeu uma liminar que paralisou não somente os casos do posto e do senador, como todos os que estavam baseados em informações detalhadas de órgãos de controle no país.

O QUE ACONTECE COM A LIMINAR? E COM OS PROCESSOS PARADOS?

No final da última sessão, o ministro Dias Toffoli anunciou a revogação da liminar que concedeu, e todos os procedimentos do país que compartilharam dados detalhados de movimentações consideradas suspeitas podem voltar a tramitar. Segundo o Ministério Público Federal, ao menos 935 processos estavam paralisados.

O QUE ACONTECE COM OS DONOS DO POSTO?

Por maioria, os ministros do Supremo anularam a absolvição, ficando restabelecida a condenação. Agora, eles poderão recorrer novamente para tentar um novo resultado.

COMO FICA A SITUAÇÃO DE FLÁVIO BOLSONARO?

Com a decisão, fica cassada a liminar, e todos os procedimentos voltam a tramitar. Flávio Bolsonaro também havia obtido uma liminar do ministro Gilmar Mendes, que foi revogada após a maioria formada na Corte.

QUAL A SUSPEITA?

O senador é alvo de um procedimento no Ministério Público do estado do Rio de Janeiro por suspeita da prática de "rachadinha", nome popularmente dado à prática de nomeação de pessoas em cargos de comissão em troca de receber parte do salário delas. A defesa alega que o MP do Rio teve acesso a dados bancários de Flávio Bolsonaro sem autorização judicial.

PODE HAVER 'MODULAÇÃO'?

Sim. Caso o Supremo limite o compartilhamento, é possível a discussão de uma "modulação" - definir a partir de quando vale a decisão - para preservar as investigações anteriores que tiveram compartilhamento detalhado.

Curso Preparatório para o Exame de Suficiência CFC R$ 246,90. Ver mais informaçôes

_____________________________________

Curso de Perícia Contábil R$99,90. Ver mais informaçôes

_____________________________________

Curso Contabilidade Tributária R$99,90. Ver mais informaçôes

_____________________________________

Curso Prático de Departamento Pessoal (Reforma Trabalhista) R$ 139,90. Ver mais informaçôes

_____________________________________

Curso Contabilidade Geral R$ 99,90. Ver mais informaçôes

_____________________________________

Site desenvolvido por: Lojista Integrado: Sites | Marketing | Automação Teste Grátis